Após quase uma década utilizando o navegador desenvolvido pela Google, enfim retornei para o Firefox. Discuto nessa publicação os pontos que levei em consideração, o processo de migração e as razões que a motivaram.

Justificativas

Desempenho

De acordo com testes que realizei o consumo de memória é praticamente idêntico entre os dois. Já o desempenho do Chrome é superior nos benchmarks de JavaScript. Esse definitivamente é um ponto negativo do Firefox mas não notei no dia-a-dia diferença significativa na responsividade do navegador.

Privacidade e transparência

Apesar do Chromium ser um projeto de código aberto, o navegador está integrado aos serviços da Google e o Google Chrome em si é um binário que carrega código proprietário. A Google é uma empresa que tem anúncios personalizados como a sua principal fonte de receita e como diz o ditado: se você não está pagando por algo, você é o produto. Já o Firefox é um projeto de código aberto mantido por uma fundação sem fins lucrativos, a Mozilla Foundation. E apesar de isso por si só não constituir uma garantia, ele vêm com a promessa de privacidade e transparência.

O rastreamento a fim de oferecer anúncios e conteúdos personalizados por si só não é um mal. Entretanto há de ser muito ingênuo para acreditar que ele se limita a esse fim. Restringir o vazamento de dados pessoais para grandes corporações cujos modelos de negócios se baseiam na venda de informações de seus usuários vai além de qualquer motivação ideológica e é acima de tudo uma questão de precaução. Além disso para quem é uma ovelha negra e/ou busca se afastar do viés de seleção, sofre com a tirania dos algoritmos de filtragem colaborativa. E dificultar o rastreamento é uma forma de evitar receber conteúdo personalizado.

Killer features

Killer features são características de um produto extremamente atrativas, que o diferenciam dos demais e justificam a sua utilização.

Multi-Account Containers

A extensão Multi-Account Containers que é desenvolvida pela Mozilla permite que certos sites sejam automaticamente abertos em diferentes contêineres como abas sob uma mesmo janela. Enquanto o Chrome permite a criação de múltiplos perfis, esse recurso não apresenta o mesmo nível de integração e fluídez. Eu utilizo a extensão para isolar em containêres as sessões de alguns sites como Google e Facebook. Uma alternativa para dificultar o rastreamento seria encerrar a sessão após acessar e limpar os cookies mas isso não é prático.

Picture-in-picture

Este é um recurso que permite a exibição de um vídeo em uma pequena janela sobreposta na tela. Dessa forma eu posso assistir a um vídeo que não requer a minha concentração enquanto faço algo em outra aba ou janela do computador.

Firefox Screenshot

Captura de tela demonstrando PiP e containers.